Anunciado soro para tratamento da COVID-19

Coronavírus - COVID-19. Foto: Alissa Eckert, MS, Dan Higgins, MAM

[Foto: Alissa Eckert, MS, Dan Higgins, MAM]

Pesquisadores brasileiros anunciaram, nesta quinta-feira (13/08) o depósito do pedido de patente referente a pesquisas com soros para tratamento da COVID-19 produzidos a partir do plasma de cavalos. O anúncio foi feito pelo presidente do Instituto Vital Brazil, Adilson Stolet, e pelo presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ), Jerson Lima Silva.

O soro anti-SARS-CoV-2 (para tratamento da COVID-19) foi produzido a partir do plasma de cavalos inoculados com a proteína S recombinante do novo coronavírus, produzida na Coppe/UFRJ e apresentaram anticorpos neutralizantes que mostraram-se 20 a 50 vezes mais potentes que os anticorpos encontrados no plasma de humanos que tiveram a doença.

Segundo Stolet, o tratamento pode ser produzido em grande escala, sem sofrimento para os animais do qual o plasma é retirado.

Participaram deste estudo um grupo grande de cientistas de instituições como Coppe/UFRJ, Fiocruz e Instituto Vital Brazil, incluindo Adilson Stolet, Amilcar Tanuri, Andre Gomes, Andrea Cheble Oliveira, Carlos Dumard, Herbert Guedes, Leda Castilho, Luís Eduardo Ribeiro da Cunha, Marcelo Strauch, Renata Alvim, Thiago Moreno Lopes e Victor Pereira, entre outros.

“A pesquisa contou com apoio financeiro da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (Faperj), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep)”.

A soroterapia não é uma novidade. É um tipo de tratamento usado contra picadas de cobras e outros animais peçonhentos e no tratamento de doenças como raiva e tétano.

Segundo divulgado, os estudos clínicos deverão ocorrer em parceria com o Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR).

Este registro de patente leva a relembrar feito semelhante. Mais de 100 anos atrás, Vital Brazil recebeu, em 1917, a patente do soro antiofídico, que meses depois teve o registro doado para o Governo do Estado de São Paulo, tornando acessível ao público o tratamento que viria a salvar a vida de inúmeras vítimas de animais peçonhentos.

Com informações de Instituto Vital Brazil.