Inauguração do PDT de Araruama

[Foto: Richard Souza / AEF]

Na manhã do último sábado (19/03), o Partido Democrático Trabalhista (PDT) movimentou a cidade de Araruama, com a inauguração do seu Diretório Municipal. O evento contou com a participação de ilustres nomes do cenário político nacional, estadual e local, além de filiados do partido e cidadãos da região.

Embora o evento estivesse agendado para começar às 9:30 da manhã, como informado no convite, às 9:00 o diretório do partido já estava movimentado, assim como a calçada, em frente ao seu prédio.

O público seguiu crescendo com o passar das horas, enquanto aguardavam o início da cerimônia, que começou com considerável atraso (como é comum em eventos dessa natureza), por aguardar a chegada do Presidente Nacional do PDT, Carlos Lupi, e do Ex-Ministro Ciro Gomes, autoridades convidadas.

Carlos Lupi e Ciro Gomes chegaram juntos, encontrando, ainda na rua, integrantes da diretoria do partido e militantes, alguns com camisetas da Juventude do PDT e bandeira do partido. Ao desembarcar do carro, Ciro Gomes e Carlos Lupi foram recebidos pela liderança local Chiquinho da Educação, ex-Prefeito de Araruama por 2 mandatos consecutivos, e sua esposa, Livia de Chiquinho, atual Vice-Presidente Municipal do PDT. A seguir receberam as boas vindas do Presidente Municipal do PDT, Mauricio Mello, do Presidente Estadual do PDT, José Bonifácio, e de outros que os aguardavam. Os ilustres convidados encontraram dificuldade para entrar no diretório, já completamente lotado, sendo parados para muitas fotografias ou “selfies”.

Já no diretório, a composição da mesa foi anunciada por Chiquinho da Educação, que convidou o Presidente Nacional do PDT, Carlos Lupi, o Presidente Estadual do PDT, José Bonifácil, o Presidenciável Ciro Gomes, a Vice-Presidente do PDT de Araruama, Livia de Chiquinho, o Presidente do PDT Araruama, Mauricio Mello, e o Ortopedista José Roberto. Após, seguindo a condução do evento, agradeceu a presença dos convidados.

A abertura deu-se com as palavras de José Bonifácio, sendo seguido por uma apresentação das características e história do município de Araruama, realizada por Chiquinho da Educação, que também comentou a história de Fortaleza, antes e depois do governo Ciro Gomes.

Livia de Chiquinho realizou então seu discurso, comentando diferenças entre governos e os problemas da atual gestão municipal.

Livia destacou ter vivenciado com sua família, no passado, as dificuldades financeiras resultantes do atraso de salários do patriarca da família, que era servidor público. Relacionou também algumas das realizações do governo de Chiquinho da Educação (2001 a 2008) e criticou, com muita emoção, o fechamento da Maternidade de São Vicente e do Pronto Socorro de Araruama, conquistando a empatia do público presente.

Carlos Lupi, após ser presenteado com um souvenir de um time de futebol carioca, falou de sua infância humilde, quando frequentava Araruama, comentando com descontração o sofrimento com as queimaduras solares. Declarou ainda surpresa ao saber da história indígena de Araruama, com a qual identificou-se por ser neto de índios.

Ao dizer “Não conheço outro Prefeito de cidade do Estado do RJ (…) que tenha feito tanto pela educação como esse cara”, referindo-se a Chiquinho da Educação, recebeu aplausos vigorosos.

Sobre Livia disse: “É bonita, é inteligente, fala bem!”, “ela é firme, direta, objetiva”, “gostei de ver sua postura; seu compromisso”.

Relacionou a seguir a trajetória política de Ciro Gomes, que foi Deputado Estadual, Prefeito, Governador, Ministro por 2 vezes (da Fazenda e da Integração Regional). Elogiando-o com a frase “o Ciro tem mãos e coração limpos”, sendo novamente aplaudido.

Seguindo a sequência de comentários sobre os integrantes da mesa, disse sobre José do Bonifácio: “Se tem um homem que é exemplo de conduta, de honradez, de seriedade e de compromisso, é esse homem”.

Carlos Lupi encerrou sua fala retornando à Ciro Gomes, dizendo que ele “não tem rabo preso com banqueiro, não tem rabo preso com sistema financeiro, não tem rabo preso com corrupção”

Em sua fala, Ciro Gomes elogiou as belezas de Araruama, “esse pedaço caprichadamente desenhado por Deus”, e da Região dos Lagos.

Seguiu com agradecimentos aos companheiros do PDT, pelo companheirismo e fraternidade que encontrou, resumindo esse sentimento informando querer começar dizendo “muito obrigado”.

Direcionou então sua fala ao Chiquinho da Educação, agradecendo e dizendo que a fama de Chiquinho o antecede e que “é excepcionalmente feliz o homem público que, no meio da esculhambação que se encontra a vida pública brasileira, é reconhecido pelo seu povo com o sobrenome Chiquinho da Educação”.

A seguir agradeceu e elogiou José Bonifácio, cumprimentou Mauricio Mello, José Roberto e Livia de Chiquinho, figura que afirmou tê-lo impressionado e sobre a qual disse: “Eu reconheço um líder assim que o vejo. Nasceu um líder em Araruama, minha cara Livia”. Com essas palavras provocou aplausos do público.

Como já era esperado, comentou o que chamou de “grave momento para o Brasil”, no qual soma sua “luta política à uma oração à Deus” para que “proteja a nação brasileira, porque eu estou sentindo que, não demora, começarão a surgir cadáveres nessa confrontação irresponsável”.

Seguiu seu discurso narrando lutas do passado pela democracia, que “é a garantia de que agente pode explorar o melhor das nossas diferenças a serviço do coletivo”

Falou também sobre economia, balança comercial, câmbio, queda no valor do minério de ferro, desvalorização do petróleo, endividamento do brasileiro, juros abusivos de cartões de crédito, desemprego e outros tópicos, criticando a atual estratégia de combate a esses problemas, que comparou a “tentar apagar uma fogueira jogando gasolina”. Sobre a crise econômica brasileira, disse ainda que a considera consequência de um “erro grave de gestão do nosso governo”.

Ciro Gomes resumiu o panorama político brasileiro atual dizendo: “de um lado um governo que não se compenetra nos compromissos que assumiu; de outro lado a oposição que perdendo a eleição resolveu despudoradamente escalar o golpe, falando em decência cercada de uma quadrilha de bandidos”.

Falando de Araruama, Ciro Gomes criticou o fechamento de um Pronto Socorro que existia, dizendo que “é preciso discutir o por quê?”.

No encerramento de sua fala, dirigindo-se à Livia de Chiquinho, disse: “você vai encontrar o que estou lhe dizendo: nosso povo machucado, descrente. Portanto, de todas as tarefas suas, jovem talento que está começando, a mais grave é restaurar a esperança do nosso povo”. Sendo aplaudido de pé.

Após o término do discurso de Ciro Gomes, Chiquinho da Educação fez uso das palavras finais, comentando realizações do seu governo e fechamentos de importantes projetos e serviços pelas gestões que vieram após. A seguir agradeceu a todos e encerrou o evento.