TRE/RJ realiza evento de mulheres eleitoralistas

Foto: Aline / AN

A Escola Judiciária Eleitoral do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE/RJ) realizou nesta segunda-feira (05/08) o evento Mulheres Eleitoralistas.

Aberto pelo Presidente do TRE/RJ, Desembargador Carlos Santos de Oliveira, e mediado pelo Presidente da Comissão de Justiça Eleitoral da OAB/RJ, Dr. Marcio Vieira, o evento contou com palestras de mulheres atuantes em relevantes posições relacionadas à justiça eleitoral.

A primeira palestrante foi a Desembargadora Eleitoral Cristiane Frota, Diretora da Escola Judiciária Eleitoral. Em sua fala, a Drª Cristiane Frota cumprimentou as autoridades presentes, comentou a informação que recebeu da Prefeita Livia Bello do governo de Araruama contar com uma composição de 80% de mulheres e percorreu a história eleitoral brasileira com ênfase na participação feminina.

A segunda palestrante, Dra. Vânia Aieta, Presidente da Comissão de Direito Constitucional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/RJ) e Vice-Presidente da Associação de Eleitoralistas, tratou em sua fala do valor que a mulher agrega na política e de como as diferentes características das mulheres pode ser aproveitado no marketing eleitoral. Comentou ainda que “cotas rosas” nas legendas é um esforço que não resolve a situação, sendo necessária mudança nos valores, no imaginário da sociedade.

Antes de apresentar a terceira palestrante, o mediador, Dr. Marcio Vieira, parabenizou a prefeita de Araruama, Livia Bello (PDT/RJ), presente no evento, pelo percentual acima da média nacional de mulheres ocupando cargos de confiança em seu governo.

A terceira palestrante foi a Secretária Nacional de Politicas para as Mulheres, Drª Cristiane Britto. Em sua fala comentou a dificuldade que a mulher enfrenta, relembrou o preconceito que sofreu em sua carreira e falou sobre o feminicídio (destacando que o Brasil ocupa o 5º lugar em número de casos deste crime específico).

Por ser advogada eleitoralista, a palestrante enfatizou que considera a participação da mulher na política um desafio a ser enfrentado em uma realidade onde, por exemplo, 1400 casas legislativas brasileiras não contam com representação feminina, mais da metade (53%) das mulheres prefeitas participantes de uma pesquisa citada já sofreram perseguição por seu gênero.

Ao citar iniciativas da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres, anunciou a intenção da criação de uma plataforma digital para ajudar as candidatas a vereadoras e prefeitas nas eleições de 2020.

2018 mulheres 31% das candidatas em 2018, embora entra as mais jovens, chega a 51%, o que entende como possível sinal de melhora.

Relembrando a informação citada antes pelo mediador, a quarta palestrante, Drª Luciana Lóssio, ex-Ministra do TSE, comentou de forma descontraída que Prefeitura de Araruama, tendo 80% de mulheres no governo, faz algo interessante ao aplicar cota de 20% dos cargos para os homens, “para os homens sentirem como é ser minoria”, brincou.

Drª Luciana Lóssio criticou o projeto de Lei de autoria do senador Angelo Coronel (PSD-BA) que visa revogar a cota mínima de 30% de candidatas mulheres nas eleições para cargos proporcionais alegando homenagem à igualdade.

A última palestrante, Drª Ana Tereza Basílio, Vice-Presidente da OAB/RJ, encerrou o evento, elogiando a iniciativa da Escola Judiciária Eleitoral e parabenizando os idealizadores e as palestrantes. Colocou ainda a OAB/RJ à disposição para colaborar com as iniciativas da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres.